12 março, 2010

Marinha limita acesso aos portos

Navios maiores e mais pesados terão que diminuir a carga para poder atracar nos portos de Itajaí e Navegantes. A determinação é da Marinha, que reduziu em 50 centímetros o calado máximo dos canais de acesso e da bacia de manobras. A medida é preventiva, para aumentar a margem de segurança nas operações. A praticagem sentiu dificuldades nas manobras dos navios. A decisão atinge metade dos navios que entram no Itajaí-Açu, estima o Porto de Itajaí.

– Fomos informados pelos práticos das dificuldades encontradas, como perda de velocidade e de força em determinados pontos. Como não recebemos dados atualizados de batimetria, tomados essa medida provisória, de reduzir a profundidade de 10,5 para 10 metros – explica o comandante Alexandre Malizia Alves, delegado da Capitania dos Portos em Itajaí.
Clique aqui e veja a notícia na íntegra.

Postado por: NewsComex - Comércio Exterior e Logística

Obama quer duplicar exportações em cinco anos

O presidente dos EUA definiu, esta quinta-feira, uma nova meta para a sua política económica: a duplicação das exportações norte-americanas nos próximos cinco anos.

O objectivo de Obama foi anunciado numa conferência do Banco Import-Export e justificada com a necessidade de garantir mais empregos.

Para garantir o objectivo, Obama anunciou a formação de uma equipa de trabalho que terá como missão promover as exportações norte-americanas, nomeadamente através do reforço dos acordos comerciais internacionais. (Fonte)

Postado por: NewsComex - Comércio Exterior e Logística

Negócio põe a BP no pré-sal brasileiro

Um dos pontos mais elogiados por analistas de mercado a respeito da aquisição bilionária dos ativos da Devon pela britânica BP - por nada menos que US$ 7 bilhões em dinheiro - é que a operação permite a entrada da companhia no setor brasileiro de águas profundas, o que era considerado um "buraco" no seu portfolio. A BP é uma das poucas grandes empresas de petróleo fora da indústria petrolífera no Brasil, pelo fato de ter passado dez anos sem participar das licitações da ANP, a agência reguladora do setor no país.

No início da abertura do setor, a empresa tinha participação no bloco BM-FZA-2 na bacia da Foz do Amazonas que foi adquirido na chamada Rodada "Zero", assim chamada porque a Petrobras negociou diretamente parcerias em blocos exploratórios que ela detinha antes da criação da ANP. Na Primeira Rodada da agência, realizada em 1999, ela participou de um consórcio que adquiriu outro bloco na mesma bacia, o BM-FZA-1, em parceria com a Exxon, Petrobras, Shell e British Borneo. Ambos foram devolvidos no final do período exploratório, sem que nenhuma descoberta comercial tivesse sido anunciada.
Clique aqui e veja a notícia na íntegra.

Postado por: NewsComex - Comércio Exterior e Logística

EUA ampliam críticas à produção de cana no Brasil


O Departamento de Estado americano faz quatro menções negativas à produção de cana-de-açúcar no Brasil em seu relatório anual sobre direitos humanos, o que tende a prejudicar os esforços da indústria brasileira de etanol para derrubar as barreiras tarifárias para exportar o produto aos Estados Unidos.

A produção de cana-de-açúcar aparece associada ao trabalho escravo, ao trabalho infantil e à repressão do movimento sindical. No ano passado, havia duas menções negativas ao setor e, neste ano, aparecem quatro. A produção de café e de algodão, por outro lado, desapareceu do relatório.
Clique aqui e veja a notícia na íntegra.

Postado por: NewsComex - Comércio Exterior e Logística

11 março, 2010

Economia do Japão cresce menos entre outubro e dezembro após revisão

A economia japonesa cresceu menos do que o previsto inicialmente no período de outubro a dezembro de 2009. Em vez de um avanço de 1,1% no trimestre, em relação aos três meses anteriores, o Produto Interno Bruto (PIB) do país aumentou 0,9%.

Em termos anualizados, o crescimento da economia do Japão foi revisado de 4,6% para 3,8% nos três meses terminados em dezembro.

Essa alteração foi relacionada com uma queda no estoque do setor privado e dados mais fracos referentes aos gastos do governo e do segmento de negócios. 
Clique aqui e veja a notícia na íntegra.

Postado por: NewsComex - Comércio Exterior e Logística

Incentivo à exportação ajuda poucas empresas

A possível redução do porcentual exportado da produção - de 60% para 40% - para que as empresas possam receber os incentivos fiscais previstos na chamada Lei do Bem deve ter o mérito de corrigir distorções provocadas pela crise internacional, mas não deve beneficiar muitas empresas. A avaliação é de técnicos do próprio governo.

Como perderam mercado internacional, muitas empresas reduziram a participação das exportações no total da produção e perderam a isenção de PIS e Cofins na compra de insumos.

Clique aqui e veja a notícia na íntegra.

Postado por: NewsComex - Comércio Exterior e Logística

IBGE: economia fecha 2009 com baixa de 0,2%

A economia brasileira cresceu 2,0% no quarto trimestre do ano passado na comparação com o terceiro trimestre, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado, o Produto Interno Bruto (PIB) do País fechou 2009 em baixa de 0,2%.

O resultado do quarto trimestre ficou dentro das previsões de 32 instituições financeiras consultadas pelo AE projeções, que esperavam um PIB entre 1,70% e 3,70%, com mediana de 2,2%. Para o fechamento de 2009, os analistas previam resultado entre queda de 0,50% e alta de 0,2%, com mediana de baixa de 0,2%.
Clique aqui e veja a notícia na íntegra.

Postado por: NewsComex - Comércio Exterior e Logística