31 julho, 2009

Cidade mineira aguarda primeira extração de gás natural no estado

A primeira extração de gás natural em Minas será feita nas proximidades do Rio Indaiá, no município de Morada Nova de Minas, Região Central do estado, a apenas 292 quilômetros de Belo Horizonte. É lá que será perfurado, em setembro, o primeiro poço de gás da parte mineira da Bacia do Rio São Francisco. A exploração comercial do produto, porém, só deverá ser iniciada em cinco anos, de acordo com a quantidade de gás encontrada. A informação é do geólogo Renato Fonseca, responsável pela área de petróleo e gás da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig). O bloco 132 da bacia, onde se localiza o poço, está sendo explorado em consórcio pela própria Codemig, além da Delp Engenharia, Orteng Equipamentos e Comp. “A expectativa é encontrar uma acumulação de grande porte”, revela Fonseca, sem detalhar a qual o volume se refere. No mercado de petróleo e gás, contudo, uma acumulação dessa magnitude tem acima de 50 milhões de barris de óleo equivalente.

No total, o primeiro poço de gás natural na região deverá consumir investimentos de R$ 17 milhões, incluindo R$ 7 milhões já aplicados em geoquímica de superfície, aerolevantamentos e estudos sísmicos. A descoberta e a exploração do combustível é aguardada na região do São Francisco como a redenção econômica de uma área formada por Morada Nova, Paineiras, Tiros e São Gonçalo do Abaeté, nas mediações da represa de Três Marias, além de Santa Fé de Minas, município de 4 mil habitantes no Noroeste do estado. A expectativa está aberta em duas frentes: a primeira é a chegada do dia em que a riqueza que dorme no subsolo da região será transformada em dinheiro depositado nos cofres municipais, por meio do recebimento de royalties pela exploração do produto. A outra diz respeito à chegada de fábricas de cerâmicas, de fertilizantes e indústrias siderúrgicas na bacia do rio, atraídas pela oferta de gás natural.

Clique aqui e veja a notícia na íntegra.

Postado por: NewsComex - Comércio Exterior e Logística

Nenhum comentário: