26 novembro, 2008

Confronto sobre cotas agrícolas aumenta na OMC

O que deveria levar a convergências terminou em novo afrontamento acalorado entre exportadores e importadores agrícolas em reunião restrita ontem na Organização Mundial do Comércio (OMC), alimentando o ceticismo sobre um acordo até o fim do ano na Rodada Doha. “Grandes importadores estão querendo ainda mais exceção à liberalização, evitando cortes tarifários e buscando cheque em branco, quando a tentativa é para se mostrar flexibilidade”, afirmou o embaixador brasileiro na OMC, Roberto Azevedo.

O diretor-geral da organização, Pascal Lamy, marcou para cada começo da noite uma negociação com os principais países, cada dia sobre um tema especialmente complicado, para tentar esta semana definir se é possível uma reunião de ministros em dezembro. Só que ninguém se move. Na segunda-feira, o clima foi pesado na discussão sobre acordos setoriais na área industrial. Ontem, foi a vez de aparecerem as dificuldades no tema de produtos sensíveis na área agrícola, que terão corte tarifário menor.

O Japão, maior importador líquido mundial de alimentos, apareceu com exigências de mais proteção. Agora quer designar 8% de suas linhas tarifárias agrícolas como sensíveis, em vez da proposta de 6% em discussão. Tendo tarifas passando dos 1.000%, os japoneses tampouco aceitam limitar a 100% a maior alíquota no comércio agrícola mundial. Alegam que seu ministro pode ser demitido se aceitar isso e haveria turbulência nas ruas.

Clique aqui e veja a notícia na íntegra.

Postado por: NewsComex - Comércio Exterior e Logística

Nenhum comentário: